chosen elect lady senhora eleita 2 João John

This article was first published in English here.

A segunda carta de João no Novo Testamento é dirigida “à senhora escolhida (ou eleita) e aos seus filhos” (eklektē kuria kai tois teknois autēs). Nesta breve carta, João avisa à senhora e seus filhos sobre falsos mestres “que não reconhecem Jesus Cristo como vindo em carne” (versículo 7), e ele instrui não oferecer hospitalidade aos falsos mestres (10-11). Como no seu Evangelho e outras cartas, João enfatiza os temas da verdade (versículos 1-4) e amor (versículos 5-6). [1]

Tem havido muita especulação sobre quem foram os destinatários originais de 2 João. Em particular, quem era a “senhora eleita”? O nome dela era Electa, Kyria ou Marta? Ela era mãe, líder da igreja doméstica, ou congregação?

QUAL FOI O NOME DA SENHORA ELEITA? 

ELECTA?

Εklektē  significa “escolhido” ou “eleito”. Esta mulher abordada em 2 João foi uma cristã escolhida por Deus, como são todos os cristãos. Embora seja mais provável que a palavra “eleito” é usada simplesmente para descrever a senhora, Clemente de Alexandria acreditava que eklektē era o nome dessa mulher, um nome que se traduziria em Inglês como “Electa. ”Se assim for, eklektē kuria em 2 João 1:1 poderia ser traduzido como “à senhora Electa”. No entanto, a irmã mencionada no último verso de 2 João também recebeu a descrição como sendo “eleita”. Embora não seja improvável que duas mulheres, de alguma forma relacionadas, tenham o mesmo nome—na época romana, as irmãs poderiam ter o mesmo nome—é mais provável que a senhora eleita e a irmã eleita sejam indivíduos como Rufus, um homem descrito como “escolhido” ou “eleito” em Romanos 16:13.

“Ela que está na Babilônia”, uma congregação enigmaticamente mencionada em 1 Pedro 5:13 também é descrita como “eleita”. Clemente de Alexandria acreditava erroneamente que “ela que está na Babilônia” era uma e a pessoa coisa que a “dama eleita” em 2 João. [Veja a nota 14 para uma discussão sobre isto]. Em suas anotações sobre 2 João, Clemente escreveu: “A segunda Epístola de João, escrita às virgens, é muito simples. Foi escrita para uma senhora babilônica, de nome Electa. . .”

Acho que é improvável que o nome da senhora eleita seja Electa. Além disso, se sua igreja fosse composta de virgens, como afirma Clemente, é importante notar que a congregação não era apenas de mulheres virgens, como veremos abaixo.

KYRIA?

Se o nome dela não fosse Electa, 2 João poderia ter sido dirigido a uma mulher chamada Kyria?

Kuria (ou kyria) é o equivalente feminino de kurios, uma palavra comum no Novo Testamento. O BDAG dá duas definições para kurios: (1) “quem é responsável pela posse”, e (2) “quem está em posição de autoridade”.[2] Correspondente com essas definições, o kurios geralmente é traduzido para Inglês como “lorde”, “mestre” ou “senhor”.[3] A forma feminina kuria geralmente é traduzida como “senhora” ou “mestra” em textos fora do Novo Testamento.

Enquanto a palavra só ocorre em 2 João 1:1 e 5 no Novo Testamento, kuria ocorre várias vezes na Septuaginta (a tradução grega do Antigo Testamento hebreu). Ela é usada para Sara como senhora de Agar a escrava (Gênese16:4, 8, 9); é usada para a viúva de Sarepta, que era senhora de sua própria casa (1 Reis 17:17); é usada para a esposa de Naamã (2 Reis 5:3); é usada metaforicamente para Deus como Senhor (Salmo 123:2); e ocorre em expressões que contrastam figurativamente uma senhora com sua escrava (Provérbios 30:23 ; Isaías 24:2).

Além disso, encontrei a palavra em vários textos gregos não-bíblicos de judeus e cristãos primitivos. Por exemplo, kuria é usado por Isaac para dirigir-se à sua mãe Sarah em O Testamento de Abraão (3.10 recension A) (cerca de 100 dC); é usado por Hermas para seu antigo dono Rhoda em O Pastor de Hermas 1:5) (cerca de 100 dC); e é usado pelo irmão e pai de Perpetua para sua irmã e filha, respectivamente, no relato do martírio de Perpetua (parágrafos 4 e 5) (202 ou 203 dC). Thecla também é referido como uma kuria em Os Atos de Paulo e Thecla (parágrafo 10) (cerca de 150 dC).

Além disso, kuria ocorre em centenas de cartas de papiro sobreviventes dirigidas a mulheres,[4] e é usada por escritores pagãos. Por exemplo, em O Enchiridion (parágrafo 40), Epicteto, um filósofo estóico que viveu cerca de 50-135 dC, escreveu que kuria era usada por homens para lisonjear mulheres jovens.

Kuria não é uma palavra obscura. Considerando como a palavra é usada, é evidente que kuria era um termo de respeito e usada para uma mulher em posição social poderosa ou elevada. No entanto, alguns acreditam que kuria pode ter sido o nome da senhora eleita.

Atanásio foi possivelmente entre os primeiros a propor que Kyria (uma transliteração comum de kuria) fosse o nome da mulher. [5] John Wesley (que não teve acesso a muitos dos antigos documentos gregos que estão agora disponíveis, como os mencionados acima) também acreditava que Kyria era o nome da mulher. Em suas notas explicativas sobre a segunda carta de João,[6] Wesley afirma que “Kyria é, sem dúvida, um nome próprio, ambos aqui [em 2 João 1:1 ] e em 2 João 1:5; pois não era usual aplicar o título de senhora a qualquer outra exceto à imperatriz romana.” No entanto, a BDAG afirma que era raro kuria ser usada como nome próprio e que seu uso raro como nome próprio foi tardio; (ou seja, em um momento posterior à escrita do Novo Testamento). É improvável que o destinatário de 2 João fosse uma mulher chamada Kyria.

MARTA?

Sugeriu-se que a senhora eleita poderia ter sido Marta de Betânia , uma amiga de Jesus mencionada nos Evangelhos de Lucas e João (Lucas 10: 38-41; João 11:12:1-3).[7] Kuria é um equivalente grego de “Marta”, “Marta” sendo a forma feminina de uma palavra aramaica que significa “senhor” ou “mestre”.

Marta era uma mulher de tremenda fé e visão espiritual (João 11:22, 24, 27). Ela também era a senhora de uma casa opulenta que era espaçosa o suficiente para acomodar Jesus e outros (João 12:1-5). Marta pode ter hospedado e liderado uma igreja em sua casa depois do Pentecostes. Seria “a irmã eleita” (mencionada em 2 João 1:13) Maria de Betânia, irmã de Marta? Por mais atraente que seja esta ideia, não há evidências nesta carta, ou de escritos cristãos primitivos, de que “a senhora eleita” era Marta.

OUTRAS ESPECULAÇÕES

Algumas pessoas acreditam que a senhora eleita era Maria, a mãe de Jesus. Certamente, Maria teria merecido o título de “senhora”. No entanto, ela provavelmente era falecida quando João escreveu esta carta (cerca de 90-100 dC). Além disso, parece improvável que João tenha tido que escrever uma carta a Maria, de todas as pessoas, para avisá-la sobre ser enganada por falsos mestres. Além disso, Maria e o apóstolo João podem ter compartilhado o mesmo lar após a crucificação de Jesus (João 19:26-27). Presumindo que João, o apóstolo, é o autor de 2 João, ele não teria escrito uma carta para um colega de casa se ainda estivesse viva.[8] Por várias razões, Maria, a mãe de Jesus, não poderia ter sido a eleita.

Outros sugerem que a senhora eleita era uma das filhas de Felipe (Atos 21: 8-9). As primeiras escrituras da igreja nos informam que as filhas de Felipe foram consideradas em alta estima pela igreja primitiva. Talvez a senhora eleita fosse uma das filhas de Felipe, e a “irmã eleita” outra filha. Algumas das filhas de Felipe foram morar na Ásia Menor, e comumente se acredita que a “senhora eleita” esteve na Ásia Menor.

QUAL FOI O PAPEL DA SENHORA ELEITA?

Embora não conheçamos o nome desta mulher, há alguns detalhes na segunda carta de João que indicam seu papel. Isso se torna ainda mais claro quando comparamos 2 João com as outras duas cartas do Novo Testamento de João, especialmente 3 João, pois existem várias semelhanças distintas entre 2 João e 3 João.

UMA MÃE?

Algumas pessoas que tomam a palavra “filhos” (tekna) literalmente acreditam que esta carta foi escrita para uma mãe com filhos crentes (2 John 1:1, 4 e 13).[9] O que essas pessoas não levaram em consideração é que, em cada uma de suas três cartas, João freqüentemente usava a palavra “filhos” (tekna e teknia) como um termo para se referir aos cristãos, às “filhos espirituais”.[10]

Em 3 João 1:4, João escreve a um homem chamado Gaio [11] dizendo: “Não tenho alegria maior do que isso: ouvir que meus filhos estão caminhando na verdade”.[12] Compare isso com o que João escreve à senhora eleita em 2 João 1:4 : “Eu me alegrei muito por ter descoberto de [alguns dos] seus filhos que eles estão caminhando na verdade”.

3 João 1:4 é muito semelhante a 2 João 1:4. Os filhos de 1, 2 e 3 João são “filhos espirituais”, não filhos biológicos naturais. Os filhos da dama eleita eram seus “filhos espirituais”, cristãos com os quais ela se importava pessoalmente, a congregação dela.

UMA IGREJA?

Alguns cristãos que relutam em aceitar a possibilidade de que uma mulher do primeiro século pudesse ter sido um líder da igreja doméstica acreditam que 2 João foi dirigido a uma comunidade cristã que João metafóricamente se referiu como “a senhora eleita”.[13] Eles também acreditam que a “irmã eleita” em  2 João 1:13  se refere a outra comunidade cristã.

A deficiência desta visão é que em nenhum outro lugar do Novo Testamento (ou em escritos posteriores) é uma comunidade cristã referida como uma “senhora” kuria (ou uma “irmã” adelphē). [14] João usa a palavra “igreja” (ekklēsia) três vezes em sua terceira carta: em 3 João 1: 6, 9, 10. Por que João usaria a palavra “igreja” claramente em 3 João, mas supostamente se referia à igreja metaforicamente como uma “senhora” em 2 João?

Além disso, João dirigiu sua segunda carta para “a senhora eleita” e para “seus filhos”. Se a “senhora eleita” representa uma igreja, quem são seus filhos? Se a “senhora eleita” é uma congregação e os filhos são uma congregação, então João está se dirigindo duas vezes ao mesmo grupo. Isso simplesmente não faz sentido.

João usou pronomes singulares no grego quando se dirigia diretamente à senhora (em 2 João 1:4, 5 duas vezes, 13 duas vezes). Por exemplo, no versículo 5, João fala diretamente com a mulher e diz: “Agora eu pergunto-lhe (sg) senhora . . .” Isso não soa como se João estivesse se dirigindo a uma congregação. No entanto, outras vezes nesta carta, João usou pronomes plurais ao se referir à senhora e aos “filhos”. Os filhos eram a igreja. A “senhora” não é uma metáfora para uma igreja; ela era a líder da igreja.

UMA LÍDER DE MULHERES?

Ainda outra especulação é que a mulher era realmente uma líder da igreja, mas que sua congregação consistia apenas em mulheres. Esta especulação, no entanto, não suporta a gramática grega do texto. Quando João fala sobre os filhos como aqueles a quem ele amava no versículo 1, o pronome relativo traduzido como “quem” é gramaticalmente masculino no grego. O particípio para “caminhar” no versículo 4, referindo-se aos “filhos”, e ao pronome reflexivo “vocês mesmos” no versículo 8 também são gramaticalmente masculinos no grego.

O gênero masculino é o gênero gramatical “padrão” em grego e é freqüentemente usado para grupos que incluem homens e mulheres.[15] Se a igreja de 2 João fosse composta apenas de mulheres, esperávamos pronomes e particípios relativos femininos, etc. A gramática grega exclui a possibilidade de a senhora eleita ser a líder de uma congregação exclusivamente feminina.

UMA LÍDER DA IGREJA DOMÉSTICA?

Durante as primeiras duas centenas de anos após o dia de Pentecostes, a maioria das igrejas cristãs eram igrejas domésticas. Temos evidências amplas e, acredito, irrefutáveis de que algumas dessas igrejas foram hospedadas e lideradas por mulheres. No Novo Testamento, várias mulheres são mencionadas que eram anfitriãs e líderes de igrejas domésticas.[16] Parece que a segunda carta de João foi escrita para essa mulher.

A explicação mais simples e direta de quem a “senhora eleita” em 2 João 1:1 e 5 era, era de uma anfitriã e líder da igreja doméstica cristã, a quem João às vezes se dirigiu diretamente em sua segunda carta. A explicação mais direta de quem eram seus “filhos” era que eles eram membros de sua congregação. É improvável que a senhora eleita seja simplesmente mãe. Também é improvável que ela simbolize uma igreja. Eu acredito que a senhora escolhida era uma líder feminina da igreja doméstica.


NOTAS FINAIS

[1] Alguns estudiosos da Bíblia acreditam que 2 João foi escrito por um conhecido ancião chamado João (mencionado por Papias e outros), e não foi escrito por João, o apóstolo.

[2] Traduzido de: BDAG refers to A Greek-English Lexicon of the New Testament and Other Early Christian Literature, 3rd Edition, by Walter Bauer, revised and edited by F.W Danker (University of Chicago Press, 2000).

[3] Nos evangelhos, o dono de uma vinha é chamado de kurios, isto é, ele era o proprietário da vinha e o mestre daqueles que trabalharam lá (Mateus 20:8; 21:40; Marcos 12:9; Lucas 20:13, 15). Jesus é freqüentemente chamado de “Senhor” (ou seja, kurios) no Novo Testamento.

[4] Nas décadas de 1800 a 1900, grandes quantidades de papiros antigos foram descobertos no Egito. Alguns desses papiros foram cartas dirigidas a mulheres usando o termo kuria de uma maneira que parece indicar respeito e afeição. (Da mesma forma, alguns homens são abordados como kurios como um termo de respeito e afeição).  Kuria pode ser traduzida como “cara senhora” neste contexto. (E kurios como “caro senhor”). Estas cartas de papiro datam dos primeiros séculos da era comum. Mais sobre isso aqui.

[5] Outros, como James Strong (que escreveu A concordância de Strong), também acreditam que Kyria era um nome próprio.

[6] As notas de John Wesley sobre 2 João podem ser encontradas aqui.

[7] Uma dessas pessoas é o teólogo alemão, Johann Benedict Carpzov II (1639-1699).

[8] Maria, mãe de Jesus e o apóstolo João, passaram seus últimos anos em Éfeso. Acredita-se que João escreveu seu Evangelho e suas cartas de Éfeso.

[9] Matthew Henry, que se refere à senhora eleita como Lady Electa, acredita que ela era uma mãe, uma “nobre matrona cristã” e não uma líder da igreja.

[10] Em sua primeira carta, João usou várias vezes a palavra “filhos” (tekna e teknia) (por exemplo, 1 João 2:1, 28; 3:1-2, 7, 10, 18; 4:4; 5:2, 21). Estes versículos não se referem a seus filhos naturais, mas a “filhos de Deus” ou “discípulos cristãos”.

[11] Gaio era um nome romano comum. Possivelmente, quatro homens chamaram Gaio no Novo Testamento: um macedônio que era o companheiro de viagem de Paulo e foi apanhado em Éfeso (Atos 19:29); um homem de Derbe que acompanhou Paulo de Corinto a Jerusalém (Atos 20:4); um de Coríntio que foi batizado por Paulo (Romanos 16:23 ; 1 Coríntios 1:14); e o homem que foi o destinatário de 3 João.

[12] O apóstolo Paulo também usou a palavra “filhos” ou “filho” em referência aos convertidos cristãos em Coríntio e na Galácia, e de Onésimo e Timóteo, etc. (1 Coríntios 4:14-15 ; Gálatas 4:19 , Filemom 1:10 cf. Filipenses 2:22).

[13] Jerome (ep. xi. ad Ageruchiam) acreditava que a palavra “senhora” (kuria) era usada simbolicamente por uma igreja (ou seja, uma comunidade cristã). Esta é uma idéia popular para as pessoas que não reconhecem que as mulheres eram líderes da igreja nos tempos do Novo Testamento.

[14] É verdade que o povo de Deus no Antigo Testamento e a Igreja no Novo Testamento são frequentemente referidos em termos femininos. A palavra grega para “congregação” ou “igreja”, ekklēsia, é gramaticalmente feminina. Mas uma congregação nunca é referida como uma “senhora” ou uma “irmã”, ou qualquer coisa, mesmo remotamente similar, no Novo Testamento. Em O Pastor de Hermas, uma mulher idosa fala com Hermas em visões. Esta mulher representa a igreja e Hermas a chama de kuria ao falar com ela. No entanto, esta senhora aparece para Hermas como uma mulher real, não como uma congregação.

Em 1 Pedro 5:13, Pedro escreve: “A que está em Babilônia, escolhida entre (ou co-eleita) com você, envia seus cumprimentos, e também o meu filho Marcos”. Como mencionado no artigo, Clemente de Alexandria acreditava que “ela” na Babilônia era a mesma pessoa que a senhora eleita em 2 João. Não acredito que o artigo feminino em 1 Pedro 5:13, traduzido para o inglês como “ela”, se refere a um indivíduo. Pedro descreve os cristãos na Ásia Menor como “eleitos / escolhidos” na abertura de sua carta (1 Pedro 1: ). “Ela que é co-eleita / eleita na Babilônia” é mencionada no encerramento de sua carta e provavelmente se refere à comunidade cristã na Babilônia, ou provavelmente a Roma. A sintaxe em 1 Pedro é bastante diferente da sintaxe em 2 João. Estou fortemente inclinada a acreditar que a senhora eleita e a irmã eleita são indivíduos, como Rufo, que é descrito como escolhido / eleito em Romanos 16:13. (A NASB traduz escolhido / eleito para o inglês como “escolha” em Romanos 16:13).

[15] É importante notar que muitos particípios gramaticalmente masculinos e outras palavras usadas no Novo Testamento se aplicam igualmente aos homens e às mulheres crentes. Muitos versículos sobre salvação, por exemplo, são escritos usando o gênero masculino padrão (por exemplo, João 3:16).

[16] Priscila (com seu marido Áquila) (Atos 18:26 ; Romanos 16:3-5, etc.), possivelmente  Cloe (1 Coríntios 1:11), Ninfa (Col. 4:15), Afia (com Filemom e Árquipo) (Filemom 1:2), bem como “a senhora eleita” (2 João 1:1, 5) e “a irmã eleita” (2 João 1:13), podem ter sido líderes da igreja.

As filhas de Filipe (Atos 21:9), Febe (Romanos 16:1-2), Júnia (Romanos 16:7), Evódia e Sintique (Filipenses 4: 2-3) e provavelmente Lídia (Atos 16:40), além de outras, eram mulheres do Novo Testamento com importantes ministérios cristãos que podem ter sido líderes de igrejas domésticas. Assim como tem havido bons e maus líderes do sexo masculino, havia boas e más líderes femininas. Infelizmente, a igreja em Tiatira estava sendo corrompida pelos ensinamentos e falsas profecias de uma líder feminina perversa e imoral (Apocalipse 2:20-24), assim como a igreja em Éfeso (1 Timóteo 1:3-4, cf. 2:12).

© 29 de janeiro 2011, Margaret Mowczko
Traduzido por Orlando Paulo Correia Reimão

Mais artigos em português aqui.

artigos em portugues sobre igualdade entre homens e mulheres no lar e na igreja

 

Compartilhar!