Junia in Romans 16:7

Aquarela e tinta retrato de Júnia de  Sarah Beth Baca .
Usado com permissão do artista. Todos os direitos reservados.
As cópias deste retrato podem ser compradas aqui.

This article was first published in English here.

Eu estava falando com um amigo recentemente e Júnia surgiu em nossa conversa. Meu amigo declarou com grande confiança que Júnia definitivamente não era um apóstolo. Meu amigo também mencionou que sua tradução da Bíblia escolhida era a ESV (English Standard Version). Eu procurei a ESV online para ver se esta tradução poderia ter tido algo a ver com sua visão de que Júnia não era um apóstolo. Isto feito…

Este artigo sobre Júnia é escrito em resposta à declaração confiante do meu amigo, e então eu escolhi deliberadamente a ESV como um ponto de referência. Aqui está o que ela diz sobre Júnia:

Greet Andronicus and Junia, my kinsmen[1] and my fellow prisoners. They are well known to the apostles, and they were in Christ before me. Romans 16:7 (ESV)
Saúdem Andrônico e Júnia, meus semelhantes e meus companheiros de prisão. Eles são bem conhecidos para os apóstolos, e eles estavam em Cristo antes de mim. 

QUEM ERA JÚNIA?

Andrônico e Júnia são mencionados no Novo Testamento apenas na carta de Paulo aos Romanos.[2] Paulo fala calorosamente sobre esse casal que era possivelmente um casal ou irmão e irmã. De Romanos 16:7, podemos ver que ambos, Andrônico e Júnia, eram bem conhecidos da igreja (caso contrário, Paulo não os teria mencionado em sua carta); eles estavam relacionados com Paulo (ou eram judeus companheiros); eles foram presos com Paulo; eles eram cristãos há mais tempo do que Paulo (eles podem até estar entre os fundadores da igreja em Roma); e eles foram considerados como proeminentes entre os apóstolos. Este último ponto foi debatido nos últimos tempos. Um debate mais antigo, no entanto, é se Júnia era do sexo masculino ou feminino.

JÚNIA ERA UMA MULHER?

Eu li vários artigos que argumentam que Júnia era um homem chamado Júnias e não uma mulher.[3] A fraqueza deste argumento é que o nome masculino “Júnias” nunca ocorre em nenhum documento antigo, além de uma referência atribuída a Epifânio, que também se refere a Priscila como homem.[4] O nome feminino “Júnia”, no entanto, é bastante comum em inscrições e manuscritos.[5] Este fato é amplamente reconhecido pela maioria dos estudiosos bíblicos modernos.

Michael Bird escreve:

Há um tsunami de evidências textuais e patrísticas para ‘Júnia’ de comprovação esmagadora. Apesar de alguns escribas impertinentes, tradutores tendenciosos, lexicógrafos preguiçosos e comentaristas dogmáticos, o texto fala sobre uma mulher chamada ‘Júnia’. Jewett chega a chamar a “Júnias” masculina de uma “invenção da imaginação chauvinista”.[6]

Os tradutores da ESV admitem que Júnia fosse muito provavelmente uma mulher; no entanto, eles mantêm o nome masculino “Júnias” na nota de rodapé.

JÚNIA ERA UM APÓSTOLO?

Também ouvi as pessoas minimizarem o significado da palavra “apóstolo” quando aplicado a Júnia. Certamente, além dos doze (ou onze) apóstolos de Jesus que estão em uma classe especial, um apóstolo é simplesmente um ministro que serve como plantador de igrejas, como enviado ou como missionário.[7] No Novo Testamento, várias pessoas além dos Doze são chamadas de apóstolos. Estes outros apóstolos incluem: Paulo, Barnabé (Atos 14:14), Silas, Apolo (1 Coríntios 1:12), Timóteo, Epafrodito (Filipenses 2:25), Andrônico e Júnia (Romanos 16: 7) – todas as pessoas com importantes ministérios.[8]

Um apóstolo (apostolos) é literalmente alguém que é “enviado” (apostellō) em uma missão. A história da igreja está cheia de exemplos de missionários masculinos e femininos.[9] Tanto os homens como as mulheres foram enviados pela igreja ou foram conduzidos por um chamado pessoal para ministérios pioneiros que promoveram o evangelho, ministérios que podem ser válidamente descritos como apostólicos.[10]

A ESV dá um significado alternativo para “apóstolos” em uma nota de rodapé para Romanos 16:7. Eles sugerem que “apóstolos” possam ser traduzidos como “mensageiros” aqui. Pode ser que Andrônico e Júnia fossem “bem conhecidos entre os mensageiros”; No entanto, as pessoas no Novo Testamento, chamadas de apóstolos, geralmente eram mais do que apenas mensageiros. A partir da descrição que temos de Andrônico e Júnia, parece que ambos estavam envolvidos em um importante ministério.

Vários escritores patrísticos consideram Júnia como apóstolo feminino. Em suas Homilias sobre o Livro de Romanos, o padre da igreja do século IV, João Crisóstomo, pregou favoravelmente sobre Júnia, e claramente a reconheceu como apóstolo feminino. Escrevendo sobre Andrônico e Júnia, ele disse:

E, de fato, ser apóstolos é uma grande coisa. Mas para estar entre os importantes, apenas considere que grande tributo isto é! Eles foram importantes devido às suas obras e suas conquistas. Ah! Quão grande é a sabedoria desta mulher, que deva até ser considerada digna da denominação de apóstolo! Homilia 31 em Romanos.

JÚNIA ERA PROEMINENTE?

Na maioria das traduções inglesas de Romanos 16:7, Andrônico e Júnia são referidos como “proeminentes entre os apóstolos” (grego: episēmos en tois apostolois).[11] A ESV substitui a descrição usual de “proeminente” (grego: episēmos) por “bem conhecida”.

BDAG (p.378) define episēmos como (1) “de qualidade excepcional, esplêndida, excelente, proeminente” e cita de Romanos 16:7 : “proeminente entre os apóstolos”.[12]

Michael Brurer e Daniel Wallace sugerem que a frase episēmos en tois apostolois pode ser entendida e traduzida de duas maneiras: que Andrônico e Júnia podem ter sido” (a) membros notáveis do grupo dos apóstolos; ou (b) não os próprios apóstolos, mas bem conhecidos entre (isto é, para) os apóstolos.”[13]

O “notável” e o “bem conhecido” têm um sentido mais suave do que o “proeminente”?

Os tradutores e comentaristas do Novo Testamento parecem cair em três grupos quando abordam a tradução da frase episēmos en tois apostolois para o inglês:

• (1) Aqueles que pensam que Júnia(s) era um homem, como os tradutores da NASB (New American Standard Bible), traduziram tipicamente esta frase como “proeminente entre os apóstolos”.
• (2) Alguns que reconhecem que Júnia era realmente uma mulher, como os tradutores da ESV, a NET (New English Translation) e alguns outros, escolheram uma opção “mais suave” e traduziram esta frase como “bem conhecida pelos apóstolos” (ver HCSB – Holman Christian Standard Bible).
• (3) Outros, que também reconhecem que Júnia era uma mulher, mantêm a tradução mais literal de “proeminente / excelente entre os apóstolos”. Este último grupo de traduções inclui a CEB (Common English Bible), NRSV (New Revised Standard Version) e NIV (New International Version).

[Veja por si mesmo como a tradução muda quando os tradutores acreditam ser Júnia um homem-Júnias, ou uma mulher-Júnia, aqui. Cuidado com o “s” no final do nome. Deslize para baixo a página vinculada e leia o preconceituoso Comentário Bíblico de Jamieson-Fausset-Brown, sobre Romanos 16:7]

FOI JÚNIA BEM CONHECIDA PARA OS APÓSTOLOS?

Outro aspecto preocupante da tradução ESV de Romanos 16:7 é como a palavra grega en (ἐν) foi traduzida. En (ἐν) é uma palavra comum e é usada aproximadamente 2830 vezes no Novo Testamento. Esta palavra é freqüentemente traduzida como “in” ou “among” em inglês.[14] Aqui estão alguns exemplos de Escrituras onde ocorre a palavra en (ἐν):

“Nosso Pai, que está nos céus. . ” Mateus 6:9
“. . Para aqueles entre a diáspora ” Tiago 1:1

Escrevendo sobre Romanos 16:7, Peter Lampe, um importante estudioso do cristianismo primitivo, afirma sucintamente: “O en (ἐν) deve ser traduzido como “entre” (os apóstolos) como em 1 Coríntios 15:12 e Tiago 5: 13-14 , 19.”[15]

Eu só posso pensar em uma razão para traduzir en (ἐν) como “para”, como em “bem conhecido para os apóstolos” na ESV. Essa razão é obscurecer o fato de que Júnia, junto com Andrônico, era realmente proeminente entre os apóstolos.

É importante notar que o Novo Testamento grego nunca afirma que uma mulher não pode ser apóstola, missionária ou líder da igreja. Além disso, no Novo Testamento, são mencionadas várias mulheres que, obviamente, eram líderes da igreja. Infelizmente, alguns comentaristas da Bíblia tentaram persistentemente minimizar seus papéis.

CONCLUSÃO

Nos esforços para manter as mulheres fora dos ministérios de liderança, alguns tradutores da Bíblia têm-se esforçado para suavizar o impacto de Júnia como um precedente de uma mulher com um excelente ministério de liderança. No passado, eles tentaram fazer dela um homem. Agora que essa idéia já não tem credibilidade, alguns tradutores estão tentando minimizar sua representação “excessiva entre os apóstolos”.

Júnia era uma apóstola expressiva ou excelente, ou era bem conhecida dos apóstolos? A leitura mais óbvia de Romanos 16:7 é que tanto Andrônico quanto Júnia foram proeminentes ou, talvez, notáveis entre os apóstolos. No entanto, mesmo que fossem bem conhecidos, e sua reputação era proeminente entre os apóstolos, certamente isso em si é um reconhecimento maravilhoso de seu ministério.

Veja como a NRSV (New Revised Standard Version) traduz Romanos 16:7:

Greet Andronicus and Junia, my relatives who were in prison with me; they are prominent among the apostles, and they were in Christ before I was.  (NRSV)
Saúdem Andrônico e Júnia, meus parentes que estavam na prisão comigo; eles são excelentes entre os apóstolos, e eles estavam em Cristo antes de mim. 

________________________________________
NOTAS E REFERÊNCIAS

Algumas pessoas sugeriram que Júnia é a mesma pessoa que Joanna, que é mencionada em Lucas 8: 1-3 e Lucas 24: 9-10 . Joanna certamente se qualifica como apóstolo de acordo com o entendimento tradicional dos pré-requisitos apostólicos (por exemplo, vendo Jesus ressuscitado). No entanto, não estou convencida de que Júnia e Joanna sejam a mesma pessoa.

[1] A palavra grega traduzida na ESV como “semelhantes” (suggenēs) em Romanos 16:7 pode se referir a parentes do sexo masculino e feminino. Pergunto-me se a ESV escolheu a palavra “semelhante”, que parece masculino para leitores modernos, para obscurecer o fato de que Júnia era uma mulher? Certamente, “parentes” seria mais fácil de entender.
BDAG (página 950) define suggenēs como: (1) “Pertencendo a mesma família extensa ou clã, relacionada, semelhante a”. . . [ou] (2) Pertencendo ao mesmo grupo de pessoas, semelhante, parente. . .”

[2] Paulo, obviamente, tinha muita estima por Andrônico e Júnia. Ele lhes enviou, e a vários outros ministros, homens e mulheres, seus cumprimentos pessoais no capítulo 16 de sua carta aos Romanos. Pelo menos dez mulheres são mencionadas no capítulo 16 de Romanos. Essas mulheres estavam todas ativas em algum tipo de ministério para o evangelho; algumas eram líderes da igreja nas casas.

[3] Algumas pessoas que acreditam que Júnia(s) era um homem, sugerem que o nome encontrado em Romanos 16:7 é uma contração do nome masculino: Júnianus. Um artigo interessante e acadêmico de Albert Wolters, ligeiramente defendendo essa posição, está aqui .

[4] O Index Discipulorum, uma lista de apóstolos atribuídos a Epifânio e datados do século IV, embora possa ser tardio como o século IX, tem os nomes masculinos Junias e Priscas. (Veja #64 ξγ Priscas e ξδ Junias aqui).
Além disso, o comentário de Orígenes sobre Romanos, que foi originalmente escrito em grego, mas só sobrevive como um documento completo em uma tradução latina do século XIII, tem tanto “Junia” (1280c) e “Junias” (1289a). (Veja aqui).

Grudem afirma que Orígenes tem uma referência a este nome na forma masculina, Iunias (Evangelical Feminism and Biblical Truth, 225), mas agora uma edição crítica da tradução de Rufinus do comentário de Orígenes (onde a forma masculina ocorre) existe e demonstra que os mais antigos e os melhores manuscritos têm a forma feminina do nome. A forma masculina existe apenas em dois textos, provavelmente um depende do outro, a partir do século XII. Em outros lugares onde Orígenes se refere a Romanos 16:7, ele usa uma forma feminina do nome. Outros estudiosos que traduzem o comentário de Orígenes também têm o nome como feminino (Epp, Junia, 33-34).
Traduzido de Amy Peeler, “Junia/Joanna: Herald of the Good News”, in Vindicating the Vixens: Revisiting Sexualized, Vilified, and Marginalized Women of the Bible, edited by Sandra Glahn (Grand Rapids, MI: Kregel, 2017), 273-285, 276 fn14.

[5] O nome masculinizado, Júnias, não existe em nenhum manuscrito ou inscrição em grego ou latino antigo, etc. (A verdadeira forma masculina de Júnia é Junius).

Bruce Metzger escreve:

O nome latino feminino Júnia ocorre mais de 250 vezes em inscrições gregas e latinas encontradas apenas em Roma, enquanto que o nome masculino não é atestado em qualquer lugar, e quando os manuscritos gregos [contendo Romanos 16:7] começaram a serem acentuados, os escribas escreveram o feminino Ἰουνίαν (“Júnia”).
Traduzido de A Textual Commentary on the Greek New Testament, Second Edition (D-Stuttgart: Deutsche Bibelgesellschaft, 1994), 475.

James DG Dunn escreve:

Lampe 139-40, 147 indica mais de 250 exemplos de “Júnia”, nenhum de Júnias, como foi dado por garantido pelos comentaristas patrísticos e, de fato, até à Idade Média. A suposição de que deve ser masculino é uma acusação impressionante da presunção masculina quanto ao caráter e estrutura do cristianismo mais antigo. . . Contudo, podemos concluir firmemente que um dos apóstolos fundadores do cristianismo era mulher e esposa.
Traduzido de Romans 9-16 (Word Biblical Commentary, Vol. 38B) (Dallas, TX: Word, 1988), 894.

Bernadette Brooten escreve:

João Crisóstomo não estava sozinho na antiga igreja ao tomar o nome como feminino. O primeiro comentarista sobre Romanos 16: 7, Orígenes de Alexandria (185-253/54), tomou o nome como feminino (Junta ou Julia, que é uma variante textual), assim como Jerônimo (340/50-419/20), Atto de Vercelli (924-961), Teofilato (c. 1050-c. 1108) e Pedro Abelardo (1079-1142). Na verdade, pelo que sei, nenhum comentarista sobre o texto, até Aegidius de Roma (1245-1316), tomou o nome como masculino.
Traduzido de “’Junia . . . Outstanding among the Apostles’ ( Romanos 16:7)”, em Women Priests: A Catholic Commentary on the Vatican Declaration, Arlene and Leonard Swidler (eds.) (Paulist Press, 1979), 141. O capítulo de Brooten pode ser visto on-line aqui.

Kenneth Bailey escreve:

A primeira mudança notável de Júnia para Júnias foi aparentemente feita por Faber Stapulensis, escrevendo em Paris em 1512. Seu trabalho posteriormente influenciou o comentário de Lutero sobre Romanos.
Traduzido de “Women in the New Testament: A Middle Eastern Cultural View,” em Theology Matters, 6.1 (Jan-Feb 2000), 2.

John Thorley escreve:

A visão universal dos primeiros pais era que o nome era Júnia, e que ela era uma mulher, e a English Authorised Version de 1611 seguiu esta leitura “Júnia”, claramente o nome de uma mulher; e, de fato, “Júnias” se tornou um homem em traduções em inglês apenas em 1881 quando a Revised Version foi publicada. Lutero, no entanto, em sua tradução alemã de 1552 já havia optado pelo [masculino] “den Juniam”, e as traduções continentais desde então seguiram principalmente essa interpretação masculina.
Traduzido de “Junia, a Woman Apostle”, em Novum Testamentum, Vol. 38 (January, 1996), 18-29, 18.

O nome feminino “Júnia” foi usado nas Bíblias Tyndale e King James. Mais tarde, as traduções em inglês usaram o nome masculino “Júnias” até recentemente. N.B. Os textos das escrituras destacadas nesta página usam a NASB e tem o “Júnias” masculino.

Eldon Jay Epp escreve em “Text-Critical, Exegetical and Socio-Cultural Factors Affecting the Junia/Junia Variation in Romans 16:7”, em New Testament Textual Criticism: Festschrift, J. Delobel, A. Denaux (ed.) (Leuven: Leuven University Press, 2002), 227-291. Partes do capítulo do Dr Epp estão disponíveis no Google Books aqui .

[6] Traduzido de Michael Bird’s, Romans (The Story of God Bible Commentary) (Grand Rapids: Zondervan, 2016) (fonte online)

[7] A função de ser apóstolo é um dos dons da liderança da igreja mencionados em Efésios 4:11. E estes eram os seus dons [de Jesus]: alguns para serem apóstolos, alguns profetas, alguns evangelistas, alguns pastores e professores, para equipar o povo de Deus para trabalhar no seu serviço, para a edificação do corpo de Cristo. Efésios 4:11.

[8] Jesus também é chamado de apóstolo em Hebreus 3:1.

[9] O que eu acho peculiar sobre todo o debate sobre se Júnia era realmente uma apóstola, é que a palavra “apóstolo” (derivada do grego) é apenas mais uma palavra para “missionário” (derivada do latim), e tem havido inúmeros exemplos de mulheres sendo missionárias sem causar controvérsias.

[10] Embora a igreja tenha impedido sobretudo as mulheres (em vez de incentivá-las no ministério), sempre houve algumas mulheres que, devido à sua elevada posição social (nobreza), riqueza pessoal, inteligência excepcional, tenacidade ou dons extraordinários, funcionaram como líderes. Catherine de Siena, Madame Guyon, Amy Carmichael, Gladys Aylward, Condessa Huntingdon, Phoebe Palmer, Lottie Moon e Dorothy L. Sayers são apenas algumas que me vêm à lembrança. Quem sabe o quanto o progresso do evangelho foi diminuído por não permitir que as mulheres ministrem como iguais, lado a lado com os homens. ou mesmo por conta própria?

[11] As seguintes traduções da Bíblia usam a frase “proeminentes entre os apóstolos” ou “importantes entre os apóstolos” em Romanos 16:7: New International Version (1984, 2011); New American Standard Bible (1995); Common English Bible: American Standard Bible; King James Bible; International Standard Version (2008); Douay Rheims Bible; Bible in Basic English; Darby Bible Translation; English Revised Version; Webster’s Bible Translation; Weymouth New Testament; Word English Bible; etc.

[12] BDAG = A Greek-English Lexicon of the New Testament and Other Early Christian Literature, Third Edition, by Walter Bauer, revised and edited by F.W Danker (University of Chicago Press, 2000). Como segunda definição alternativa, a BDAG tem : (2) “Também no mau sentido: notório”. É evidente que Paulo não poderia de modo algum implicar que Andrônico e Júnia eram notórios. Episēmos é usado apenas uma outra vez no Novo Testamento, em Mateus 27:16, em referência a Barrabás, que certamente se qualifica como sendo notório!

[13] M. H. Brurer and D. B. Wallace,”Was Junia Really an Apostle? A Re-examination of Romans 16:7″, em New Testament Studies, CUP, 47.1 (January 2001), 76-91. Uma versão deste documento está disponível aqui .

[14] En é sempre seguido por uma palavra ou frase no caso dativo. En é comumente traduzido como “in” ou “among”. Também pode ser traduzido como “on”, “at”, “by”, “with”, “when” e, ocasionalmente, “to”.

[15] Traduzido de Peter Lampe, “The Roman Christians of Romans 16”, em The Writings of St. Paul, Wayne A. Meeks and John T. Fitzgerald (eds) (New York: W.W. Norton & Company, 2007), 665

© 1 de abril de 2010, Margaret Mowczko
Traduzido por Orlando Paulo Correia Reimão

Mais artigos em português aqui.

artigos em portugues sobre igualdade entre homens e mulheres no lar e na igreja

 

Compartilhar!