This article was first published in English here.

Estava conversando com um jovem ontem e durante a conversa ele afirmou acreditar que a Bíblia ensina “um patriarcado suave enquanto estamos na terra”. Uma das razões pelas quais ele acredita neste “patriarcado suave” é porque considera a primogenitura como sendo parte do padrão de Deus para a sociedade, com Adão sendo criado antes de Eva como um exemplo chave desta primogenitura.

De acordo com o Merriam-Webster Dictionary, “primogenitura” pode ter dois significados. Pode simplesmente significar “o estado de ser o primogênito dos filhos dos mesmos pais” com diferentes implicações, ou pode significar “um direito exclusivo de herança pertencente ao filho mais velho”. Com a primeira definição em mente, Adão e Eva podem ser entendidos como sendo filhos do mesmo pai, Deus (Lucas 3:38; 1 Coríntios 11:12).

Gênesis 2 e 1 Timóteo 2:13 (que é uma declaração sumária de Gênesis 2 ) nos dizem que Adão foi criado primeiro e Eva foi criada em segundo lugar. Mas essas escrituras indicam que essa ordem é significativa e parte do design de Deus para relacionamentos, ou que existe um padrão contínuo de primogenitura ou prioridade (do homem primeiro e da mulher em segundo)? Essas escrituras de alguma forma exigem uma autoridade exclusivamente masculina ou um patriarcado suave? Essas escrituras indicam “um direito exclusivo de herança” para Adão, que excluiu a Eva?

Ligar a noção de um patriarcado suave entre os cristãos à primogenitura de Gênesis está repleta de problemas.

Primeiro, após a cirurgia registrada em Gênesis 2:21-22, o primeiro ser (homem) era diferente do que quando ele foi criado pela primeira vez por Deus. Faltava uma parte dele agora que tornou-se parte integrante da mulher. Essa transferência de uma parte significativa do corpo de Adão para Eva torna a idéia do homem em primeiro e a mulher em segundo lugar, menos clara e decisiva.[1]

Segundo, enquanto o costume de primogenitura fazia parte da antiga sociedade israelita (que era patriarcal), envolvia apenas filhos, não filhas, nem mulheres.

Terceiro, o costume não foi seguido em muitas famílias proeminentes.

Cynthia Westfall escreve sobre este terceiro ponto:

Ao longo da narrativa de Gênesis, é claro desde o início que alguém que nasceu ou veio primeiro não necessariamente tem autoridade. A primogenitura entre os irmãos foi subvertida continuamente, então Gênesis não pode ser usado para fornecer um argumento para a autoridade masculina baseada em Adão sendo formado primeiro. Caim nasceu primeiro, mas Abel recebeu o favor de Deus. Esaú nasceu primeiro, mas Deus escolheu Jacó. Rúben nasceu primeiro, mas a linha de Cristo veio através de Judá, e José salvou a família e assumiu autoridade sobre eles. Manassés era o primogênito de José, mas Jacó colocou a mão direita na cabeça de Efraim para dizer que ele se tornaria maior.[2]

Outros livros do Antigo Testamento também mostram que Deus dotou os irmãos mais novos com uma autoridade maior do que a de seus irmãos mais velhos. Por exemplo, Moisés tinha mais autoridade do que seu irmão mais velho, Arão; Davi era o filho mais novo de Jessé, mas foi escolhido por Deus para ser rei de Israel; e Salomão tornou-se o sucessor de Davi apesar de não ser o filho primogênito de Davi. Claramente, o costume de primogenitura não foi seguido de perto ou universalmente pelos israelitas.

Por fim, o conceito de primogenitura não tem lugar na Nova Criação. Em vez disso, Jesus ensinou que em seu reino “os últimos são primeiros e os primeiros são últimos” (Mateus 20:16). Ele também ensinou outros princípios similarmente contra-culturais e equalizadores. (Mais sobre Mateus 20:16 e a parábola dos trabalhadores da vinha aqui).

A única pessoa que pode reivindicar o direito de primogenitura é o próprio Jesus. Westfall ressalta que “Jesus é o primogênito de todos nós” que estão em Cristo (Romanos 8:29 ; Col. 1:15 , 18), e que esta verdade “relativiza as relações entre seus discípulos”.[3] Em outras palavras, há igualdade entre os dicípulos de Jesus, pois cada um, independente de gênero, está sendo conformado à imagem do nosso irmão mais velho.

Primogenitura não é uma dinâmica que Deus instituiu na sociedade ou que Jesus tolerou.[4] Além disso, Paulo desprezou a idéia de que os homens têm alguma posição ou privilégio especial, simplesmente porque Adão foi criado primeiro. Em 1 Coríntios 11:12, Paulo ensinou que, embora a primeira mulher tenha vindo do primeiro homem, todos os outros homens nasceram de uma mulher. E ele afirmou: “Mas tudo vem de Deus”. Tanto os homens quanto as mulheres fundamentalmente têm Deus como fonte. Não existe aqui uma distinção de gênero.

Os homens não têm um nível de autoridade maior nem possuem uma herança melhor do que suas irmãs. Em vez disso, todos nós compartilharemos uma herança incrível (Efésios 1: 21-22). Homens e mulheres cristãos são co-herdeiros no melhor sentido de primogenitura. [5] Nós somos até co-herdeiros com o nosso irmão mais velho, Jesus (Romanos 8:16-17)!

De fato, as incríveis verdades teológicas da Nova Aliança e da Nova Criação em Cristo têm uma influência direta sobre nossos relacionamentos atuais dentro da comunidade de discípulos de Jesus. Nesta comunidade, a igreja, não deve haver lugar para uma hierarquia de gênero ou um patriarcado de qualquer descrição.


NOTAS FINAIS

[1] A palavra hebraica tsela, que tradicionalmente é traduzida como “costela” em Gênesis 2, tipicamente significa “parte” ou “lado”. Na Septuaginta (o Antigo Testamento grego), tsela é traduzido para o grego como pleura, que significa “lado”, particularmente o lado do corpo. Uma tradução da Septuaginta para o português  é Deus “tomou um dos lados [de Adão]. . . e Ele construiu o lado na mulher” (Gen. 2: 21-22).

[2] Traduzido de: Cynthia Long Westfall, Paul and Gender: Reclaiming the Apostle’s Vision for Men and Women in Christ (Grand Rapids, MI: Baker Academic, 2016), 78. Westfall cita Richard Hess em uma nota de rodapé: “A norma entre os patriarcas não é primogenitura, mas a benção de Deus para o segundo ou terceiro nascido.” Traduzido de: “Equality with and without Innocence: Genesis 1-3,” in Discovering Biblical Equality: Complementarity without Hierarchy, ed. Ronald Pierce and Rebecca Merrill Groothuis (Downers Grove, IL: Intervarsity, 2004), 84.

[3] Traduzido de: Westfall, Paul and Gender, 78.

[4] Jesus nunca menciona nada como uma ordem criada de homem primeiro, mulher em segundo lugar. Nos Evangelhos cita Gênesis 1, onde a narrativa indica que homens e mulheres foram criados ao mesmo tempo. Por exemplo, em Mateus 19:4 , Jesus pergunta aos fariseus: “Vocês não leram que o Criador, desde o início, os tornou homem e mulher?” Jesus também cita Gênesis 2: “Por isso, o homem deixará pai e mãe e se unirá à sua esposa, e os dois se tornarão uma só carne. “Jesus ensinou sobre a união (ou seja, unicidade) no casamento, não uma prioridade masculina ou uma hierarquia de gênero (Mateus 19:5-6).

[5] Pergunta e resposta 34 do Breve Catecismo de Westminster diz que, através da adoção, “temos direito a todos os privilégios dos Filhos de Deus”. Não existe aqui uma distinção de gênero.

© 3 de março de 2017, Margaret Mowczko
Traduzido por Orlando Paulo Correia Reimão

Mais artigos em português aqui.

artigos em portugues sobre igualdade entre homens e mulheres no lar e na igreja

 

Compartilhar!