Busto de uma mulher romana cerca de 140 dC.
A maioria das estátuas, afrescos, mosaicos, moedas, etc., mostram
mulheres romanas antigas com cabeças descobertas.

This article was first published in English here.

1 Coríntios 11:2-16 é uma das passagens mais difíceis da Bíblia para interpretar. A palavra grega kephalē, que literalmente significa “cabeça”, é um fator que contribui para tornar essa passagem difícil de entender.

Em inglês, a palavra “cabeça” tem muitos significados para além do seu sentido literal. Um significado metafórico da cabeça é “líder”. Em inglês, o “cabeça” de uma organização social, política ou militar é o líder, a pessoa principal, o chefe, a autoridade. No grego Koine do primeiro século, a língua do Novo Testamento, a palavra grega kephalē (“cabeça”) também tinha significados metafóricos.

Muitos cristãos assumiram que kephalē significa “autoridade” em 1 Coríntios 11:3.[1] No entanto, “líder” ou “autoridade” não era um significado usual da palavra no grego antigo antes ou durante o primeiro século . Neste artigo, forneço quatro provas que suportam essa afirmação.

1. QUANDO A PALAVRA HEBRAICA PARA “CABEÇA” SIGNIFICAVA “LÍDER” NA BÍBLIA HEBRAICA, GERALMENTE NÃO ERA TRADUZIDA COM A PALAVRA GREGA PARA “CABEÇA” NA SEPTUAGINTA.

Que kephalē não significava normalmente “líder” é demonstrado quando comparamos a palavra hebraica para “cabeça” na Bíblia hebraica com a palavra grega para “cabeça” na Septuaginta. (A Septuaginta, ou LXX, é uma tradução feita cerca de dois séculos aC, do Antigo Testamento hebraico para o grego).

Quando a palavra hebraica para “cabeça” (rosh) significava literalmente cabeça, os tradutores invariavelmente traduziram rosh em kephalē. No entanto, em hebraico, como em inglês, “cabeça” também pode significar um “líder” ou “governante”. Nos casos em que rosh significava um “líder”, na maioria dos casos, os tradutores não usavam a palavra kephalē na sua tradução. Em vez disso, eles costumavam usar a palavra grega archōn, que significa “líder” ou “governante”.

Gordon D. Fee observou que, de 180 casos em que rosh tem o senso de “líder” na Bíblia hebraica, apenas cinco são traduzidos como kephalē (se não contarmos sete metáforas de cabeça em contraste com cauda). [2] Parece que a maioria dos tradutores da Septuaginta sabiam que kephalē geralmente não significa “líder”, “governante”, ou “autoridade”. (Eu digo “a maioria dos tradutores” porque nem todos os envolvidos na tradução do hebraico para o grego estavam à altura da tarefa. Mais sobre isso aqui).

Curiosamente, a palavra hebraica rosh também pode significar “origem” ou “princípio”. Kenneth Bailey escreve:

O ano novo judaico é celebrado como Rosh Hashanah, “a cabeça do ano”. O primeiro dia do ano não está “em autoridade sobre” o resto do ano. Em vez disso, o ano “flui” desse primeiro dia. No Antigo Testamento, “O temor do Senhor é o cabeça [rosh] da sabedoria” (Salmo 111: 10). Traduções inglesas normalmente lêem: “O medo do Senhor é o princípio da sabedoria”. [3]

Sugiro que a palavra grega kephalē em 1 Coríntios 11:3 tenha um significado semelhante de “origem” ou “princípio”, ou, como alguns dizem, “fonte”.

2. OS LÉXICOS DO GREGO ANTIGO SECULAR NÃO DÃO “LÍDER” COMO UMA DEFINIÇÃO DE KEPHALĒ.

Outra evidência que mostra que kephalē geralmente não significa “líder” no grego antigo é que LSJ, o léxico mais exaustivo do grego antigo, não inclui nenhuma definição de kephalē que se aproxima de “líder” ou “autoridade”. [4] Além disso, Richard Cervin observa que os léxicos das obras de autores gregos antigos individuais – autores pagãos como Xenofonte, Heródoto, Platão, Tucídides, Sófocles, Esquilo, Polibio, Diodoro de Sicília e outros – não incluem nenhuma definição de kephalē que se aproxima de “líder”. [5]

Heinrich Schlier, em seu verbete em kephalē no Dicionário Teológico do Novo Testamento, observa: “No uso do grego secular, kephalē não é empregado para o cabeça de uma sociedade”. [6] Al Wolters, que se identifica como um complementarista, afirma que kephalē com um significado de “líder” é “praticamente não atestado na literatura grega pagã até aproximadamente o século IV dC” [7] E, “No que diz respeito à literatura grega pagã, LSJ (1996) é inteiramente justificado em omitir o significado de “chefe” ou “líder” de seu verbete em kephalē.”[8]

Wolters acredita, no entanto, que a palavra é usada por escritores judeus e cristãos, incluindo Paulo, para significar “líder”. Na Septuaginta, como já foi observado, existem cinco casos em que kephalē significa “líder”, mas a tradução descuidada do hebraico para o grego pode explicar isso. Wolters fornece dois casos em que ele diz que kephalē significa “líder” em Filo e dois em Josefo. [9] No entanto, não estou convencida com esses exemplos. O primeiro exemplo razoavelmente claro onde kephalē significa “líder” está na escrita cristã, o Pastor de Hermas (Parábola 7.2). (A data do Pastor de Hermas é incerta, mas muitos estudiosos sugerem uma data de cerca de 140 dC, aproximadamente 90 anos após a primeira carta aos Coríntios ser escrita).

Embora os léxicos mencionados acima não contenham uma definição de “líder” para kephalē, este não é o caso dos léxicos do Novo Testamento. Todo léxico do grego do Novo Testamento, que eu olhei, tem uma definição que significa algo como “líder”.

BDAG, por exemplo, fornece “para denotar classificação superior” como um significado. Para sustentar essa definição, ele dá três exemplos seculares, incluindo um do século II dC e um de 500 dC (que é bem depois da carta de 1 Coríntios). Ele também dá dois exemplos da Septuaginta (Juízes 11:11; 2 Samuel 22:44 (= 2 Reis. 22:44 LXX). [10] O léxico de Thayer dá as definições: “Metaforicamente, qualquer coisa suprema, chefe, proeminente; de pessoas, mestre, senhor . . ” Léxico de Strong dá “governante” e “senhor” como possíveis significados. Outros léxicos do Novo Testamento têm definições semelhantes.
Infelizmente, parece que muitos cristãos simplesmente presumiram que “cabeça” significa “autoridade” em 1 Coríntios 11:3, bem como em outros versículos como Efésios 5:23.

Richard Cervin sugere três razões para essa discrepância entre os léxicos do grego neo testamentário e outros léxicos do grego antigo:

Eu ofereço vários motivos possíveis, e não o menor dos quais é a tradição e uma visão de mundo dominante masculino. . . . Outra razão decorre do latim. . . . No Ocidente, o latim sempre foi mais popular do que o grego, e até o século passado, o latin era a lingua franca do mundo acadêmico. Agora, a palavra latina para ‘cabeça’, caput , tem o significado metafórico de ‘líder’. . . Por conseguinte, para os teólogos de língua inglesa, as línguas hebraica, inglesa e latina compartilham “líder” como uma metáfora comum para cabeça, uma metáfora que, no entanto, é estranha ao grego clássico. [itálicos usados por Cervin][11]

Embora os léxicos do Novo Testamento deem uma definição de “líder” para kephalē, é importante notar que somente Deus (1 Cor. 11:3), Jesus Cristo (1 Cor. 11:3 ; Efésios 1:22-23 ; 4:15-16 ; 5:23 ; Col. 1:18-19 , 2:9-10 ; 2:18-19), homens (1 Cor. 11:3), e maridos (Efésios 5:23) são referidos com a palavra, e apenas por Paulo.

Gilbert Bilezikian observa:

Há dezenas de referências nos documentos do Novo Testamento para líderes de todos os setores da vida: líderes religiosos, líderes comunitários, líderes militares, líderes governamentais, líderes patriarcais e líderes da igreja. Nenhum deles designado como cabeça. É usada uma profusão de outros títulos, mas cabeça está claramente ausente da lista. A explicação óbvia para essa singularidade é que cabeça não significava “líder” na linguagem do Novo Testamento. [12]

3. VÁRIOS PAIS DA IGREJA PRIMITIVA NÃO INTERPRETARAM “CABEÇA” COMO “LÍDER” EM 1 CORÍNTIOS 11:3.

Vários pais da igreja primitiva ensinaram que o significado de kephalē em 1 Coríntios 11:3 significa “origem” ou “princípio” (ou “fonte”). Alguns desses pais da igreja em alguns momentos escreveram que kephalē ocasionalmente poderia significar “líder” ou “uma pessoa em autoridade”. Esses pais da igreja também acreditavam que os homens tinham um nível maior de autoridade que as mulheres, ainda assim não usaram 1 Coríntios 11: 3 para sustentar essa crença.

Atanásio (296-373), bispo de Alexandria, declarou em “Anátema 26” de Sínodos:

Pois o Filho é o Cabeça, ou seja, o princípio de todos: e Deus é o Cabeça, ou seja, o princípio de Cristo. . .

João Crisóstomo (c 349-407), arcebispo de Constantinopla, foi inflexível que “cabeça” não significa “líder” em 1 Coríntios 11:3 . Ele diz que, se tomarmos “cabeça” com o sentido de governar, a passagem não terá sentido e isso levará a falsas ideias sobre Jesus Cristo, que é sua principal preocupação. (Homily 26 on First Corinthians)[13]

Cirilo (376-444), arcebispo de Alexandria, em De Recta Fide ad Pulcheriam et Eudociam escreveu:

Portanto, da nossa raça, ele [Adão] tornou-se o primeiro cabeça, que é fonte, e era da terra e terreno. Uma vez que Cristo foi nomeado o segundo Adão, Ele foi colocado como cabeça, que é fonte, daqueles que por meio dEle foram formados de novo para Ele até à imortalidade através da santificação no Espírito. Portanto, Ele próprio, nossa fonte, que é o cabeça, apareceu como ser humano. No entanto, embora Deus, por natureza, tenha Ele mesmo uma cabeça geradora, o Pai celestial e Ele mesmo, embora Deus de acordo com sua natureza, ainda que seja a Palavra, foi gerado por Ele. Porque cabeça significa fonte, Ele estabelece a verdade para aqueles que vacilam em sua mente que o homem é o cabeça da mulher, pois ela foi tirada dele. Portanto, como Deus de acordo com sua natureza, o único Cristo, o Filho e o Senhor tem como cabeça o Pai celestial, tornando-se nossa cabeça porque Ele é da mesmo linhagem de acordo com a carne. (Ver Patrologia Graeca 76, pp. 1336-1420).

Esses três homens e outros estavam preocupados com o fato de se kephalē fosse entendido como “governante” ou “autoridade” em 1 Coríntios 11:3 , levaria a uma cristologia distorcida. Em vez disso, entenderam que kephalē significava “princípio” ou “fonte”.

4. OS AUTORES SECULARES GREGOS NÃO UTILIZARAM KEPHALĒ AO ESCREVER SOBRE A RELAÇÃO ENTRE HOMENS E MULHERES.

A sociedade greco-romana era patriarcal e muitas obras sobreviveram onde os autores gregos escreveram sobre o domínio dos homens e dos maridos. Mas nenhum autor além de Paulo e autores cristãos os seguiram, usando a palavra “cabeça” ao escrever sobre o relacionamento de um marido com sua esposa, ou ao escrever sobre homens e mulheres em geral. Fora da literatura cristã, “kephalē nunca é usado no grego antigo em um contexto homem-mulher”.[14]

Plutarco, um autor prolífico e orador grego nativo, escreveu uma carta em cerca de 100 dC a um casal de noivos onde ele dá conselhos matrimoniais. [15] Ao longo de sua carta, Plutarco usa várias palavras gregas para descrever a liderança do marido. Ele escreve, por exemplo, que o marido é aquele que mostra “liderança” (hēgemoneia) e “tomada de decisão” (proairesis) em casa (lição 11). E, o marido é “para dominar” (kratien e archein) sua esposa (lição 33). Plutarco aconselha que a liderança do marido deva ser feita com simpatia e carinho, e deve promover o “prazer e a bondade” da esposa, mas o marido deve ser o governante, o responsável.

Paulo, por outro lado, nunca usa nenhuma das palavras de Plutarco ou de outros escritores gregos quando escreve sobre homens e mulheres. De fato, Paulo e todos os outros autores do Novo Testamento nunca usam nenhuma das muitas palavras gregas que costumavam significar “líder” ao escrever sobre maridos.

KEPHALĒ PODE SIGNIFICAR “PONTO DE ORIGEM”.

A palavra grega para “cabeça” raramente, ou nunca, significava “líder” ou “autoridade” em obras originalmente escritas em grego antes ou durante o primeiro século dC. E Paulo definitivamente escreveu a primeira carta aos Coríntios em grego. “Cabeça” com significado de “ponto de origem” ou “princípio” (ou “fonte”) não era comum no grego antigo, mas era menos raro do que o significado de “líder”. Existem três exemplos razoavelmente claros em que kephalē significa “origem” ou “princípio” em textos sobreviventes que datam antes da primeira carta aos Coríntios ser escrita: Herodotus 4.91.2, o Framento de Orfeu 21A, e o Testamento de Ruben 2.2.

Além disso, se assumirmos cabeça como “autoridade”, então algo ou alguém está ausente da declaração em 1 Coríntios 11:3 . A declaração está incompleta. Não está totalmente correta.  Certamente, Cristo é a autoridade e o líder de todas as mulheres e de todos os homens. Não há absolutamente nada a sugerir em outras partes das cartas de Paulo, ou em qualquer outro lugar no Novo Testamento para esse assunto, que as mulheres estão de alguma forma distanciadas, mesmo que ligeiramente, da autoridade e do senhorio de Jesus Cristo.[16]

COBERTURA E PROTEÇÃO OU ORIGEM?

1 Coríntios 11:3 tem sido usado para apoiar uma idéia chamada “cobertura”, de que as mulheres precisam da cobertura ou proteção da autoridade (espiritual) de um homem. Novamente, não há absolutamente nada na Bíblia para apoiar a idéia de que as mulheres precisam de cobertura ou proteção de homens. Mesmo no Antigo Testamento, Deus ignorou maridos e pais e falou diretamente com mulheres, ou enviou um anjo para falar com mulheres. Na Nova Aliança, no entanto, todo homem e mulher redimidos tem acesso a Deus, através de Jesus, facilitada pelo Espírito Santo. Deus não separou, e nem separa homens como seus porta-vozes autorizados (profetas) ou como guardiões. Deus usou, e usa mulheres como profetas e guardiãs.

Então, como podemos entender 1 Coríntios 11:3 ? Kenneth Bailey interpreta assim:

“A origem de todo homem é Cristo” (isto é, Cristo é o agente de Deus na criação. Em 1 Coríntios 8.6 Paulo afirma que Jesus Cristo é aquele “por quem são todas as coisas”).
“A origem da mulher é o homem” (ou seja, Gênesis 2: 21-23). A mulher [ishah] é “tirada do homem [ish]”.
“A origem de Cristo é Deus” (isto é, o Cristo é “o Messias” e a origem do Messias é Deus). Na linguagem dos séculos seguintes, “O Filho procede do Pai”. Cristo vem de Deus. . . . [17]

Em 1 Coríntios 11:2-16, existem várias alusões ao relato da criação de Gênesis 2 e à origem do homem e da mulher (1 Coríntios 11:8-9, 11-12). Portanto, é plausível que 1 Coríntios 11:3 também alude à criação e às origens.

1 Coríntios 11:3 é um verso difícil de interpretar, e ocorre no início de uma passagem difícil. Uma coisa é vital, no entanto, devemos ler para encontrar a intenção de Paulo para aqueles que estão “no Senhor”. 1 Coríntios 11:11-12 revela o desejo de Paulo de reciprocidade e interdependência entre homens e mulheres, não hierarquia. Além disso, não devemos deixar as complexidades desta passagem ofuscar o simples fato de que homens e mulheres oraram e profetizaram em voz alta nas reuniões da igreja. [18]

________________________________________
NOTAS E REFERÊNCIAS

[1] em resumo, Wayne Grudem (que publicou artigos sobre esse tema em 1986, 1990 e 2001) e Joseph Fitzmyer (1989, 1993) investigaram a palavra kephalē e concluíram que isso pode significar “líder” ou “governante”. Fitzmyer conclui que kephalē também pode significar “fonte”. Al Wolters (2011), que se identifica como um complementarista afirma que kephalē nunca significa “líder” em textos pagãos, mas significa “líder” em alguns textos cristãos e judeus. Richard Cervin (1989), Andrew Perriman (1994) e Judith Gundry-Volf (1997) argumentam com credibilidade que kephalē pode ter uma sensação de preeminência ou proeminência. Eu reconheço que a palavra carrega a sensação de proeminência até certo ponto; no entanto, não estou convencida de que “proeminência” é o seu principal significado em 1 Coríntios 11:3 . Alan Johnson resume estes, e outros documentos que investigam o significado de kephalē , em “A Meta-Study of the Debate over the Meaning of “Head” (Kephalē) in Paul’s Writings”, Priscilla Papers (Fonte)

[2] Fee escreve que 12 das 180 ocorrências de ro’sh são traduzidas como kephalē na LXX, mas algumas delas incluem contrastes entre cabeça e cauda onde a palavra kephalē é necessária para manter a metáfora. Assim, de acordo com Fee, existem apenas 5 casos (sem contar as metáforas de cabeça em contraste com cauda), onde kephalē significa líder: Juízes 11:11 ; 2 Samuel 22:44 (2 Reis 22:44 LXX); Salmo 18:43 ( Salmo 17:44 LXX); Isaías 7:8 ; Lamentações 1:4 ( Lam. 1:5 LXX). Fee, The First Epistle to the Corinthians, New International Commentary on the New Testament (Grand Rapids, MI: Eerdmans, 1987), 503 fn44.

Berkeley e Alvera Mickelsen contam 8 casos. Além destas ocorrências na lista de Fee, os Mickelsens incluem Jeremias 31:1 (= Jer. 38:7 LXX), e eles observam que kephalē ocorre três vezes em Isaías 7:8-9 , aumentando o número total de 5 para 8. Berkeley and Alvera Mickelsen, “What does Kephalē mean in the New Testament?” em Women, Authority and the Bible, Alvera Mickelsen (ed) (Downers Grove, IL: InterVarsity Press, 1986) 97-110, 103.

Philip Payne concorda em grande parte com Fee e os Mickelsens. No entanto, trabalhando a partir de um texto grego da LXX que usa a palavra kephalē quatro vezes e não três vezes em Isaias 7:8-9, ele descarta duas das quatro ocorrências como sendo a cidade capital e não líderes. Ou seja, ele considera kephalē como “líder” duas vezes em Isaías 7:8-9. Payne também escreve que “a referência a Israel como “cabeça entre as nações” em Jeremias 31:7 provavelmente se refere à sua posição exaltada à vista de Deus, pois ela não tinha liderança nem governava sobre outras nações”. Então, o número de Payne é de 6. Philip B. Payne, “Response,” em Women, Authority and the Bible, Alvera Mickelsen (ed) (Downers Grove: InterVarsity Press, 1986), 118-132, 122; and, Philip B. Payne, Man and Woman, One in Christ (Grand Rapids, MI: Zondervan, 2009), 119 fn10.
Existem variantes textuais na LXX, que são discutidas por Cervin, Payne e outros, que também afetam esses números.

[3] Traduzido de: Kenneth E. Bailey, Paul Through Mediterranean Eyes: Cultural Studies in 1 Corinthians (Downers Grove: InterVarsity Press, 2011), 302.

[4] LSJ: Henry George Liddell and Robert Scott, A Greek-English Lexicon, revised and augmented throughout by Sir Henry Stuart Jones, with the assistance of Roderick McKenzie (Oxford: Clarendon Press, 1996) O verbete LSJ para kephalē pode ser visto aqui.

[5] Richard Cervin, “Does kephalē (‘head’) Mean ‘Source’ or ‘Authority Over’ in Greek Literature: A Rebuttal”, Trinity Journal 10 (Spring, 1989), 85-112, 86-87. (pdf aqui.)

[6] Traduzido de: H. Schlier, “κεφαλή . . .”, Theological Dictionary of the New Testament, Gerhard Kittle (ed.) (Grand Rapids: Eerdmans, 1965), 3:673-681.

[7] Traduzido de: Al Wolters, “Head as Metaphor”, Koers 76.1 (2011) 137-153, 142. (Este artigo está disponível aqui.)

[8] Ibid, 143.

[9] Wolters escreve,

[Filo, que] “recorda “o kephalē e a parte dominante da percepção dos sentidos” (De vita Mosis 2.82), designa Ptolomeu Filadelfos como “kephalē“, de certa forma, dos reis (Ptolomaicos) (De vita Mosis 2.30), e fala do homem ou nação virtuoso como o “kephalē da raça humana” (De praemiis et poenis 125). Uma vez que este uso não tem paralelo na literatura grega primitiva, é razoável supor que representa um empréstimo semântico como o que notamos na Septuaginta, especialmente porque Filo que estava intimamente familiarizado com a Septuaginta.”
Traduzido de: Wolters, “Head as Metaphor”, 145.

Cervin, no entanto, afirma que Filo está usando kephalē aqui como “uma metáfora da preeminência”. Cervin, “Does kephalē (‘head’) Mean ‘Source’ or ‘Authority Over’”, 85-112.
Em relação aos exemplos de Josefo, ambos em Wars of the Jews, escreve Wolters, No primeiro exemplo [Josefo] compara a soberania da capital Jerusalém sobre a Judéia com a da cabeça sobre o corpo (3.3.5 §54), e no segundo exemplo ele designa Jerusalém diretamente como o “kephalē de toda a nação” (4.4.3 §261). Wolters, “Head as Metaphor”, 145.

Ninguém negou que Jerusalém era uma capital (“capital” é derivada da palavra latina para “cabeça”), mas esses exemplos não mostram que kephalē significa “líder”. Mais precisamente, esses exemplos de Josefo não mostram que kephalē significa a pessoa principal ou líder de uma sociedade.

[10] BDAG: Walter Bauer, “κεφαλή”, A Greek-English Lexicon of the New Testament and Other Early Christian Literature, 3rd Edition, by Walter Bauer, revised and edited by F.W Danker (University of Chicago Press, 2000), 542.
Há problemas com os exemplos fornecidos neste verbete. Citando a referência Artemidorus do segundo século, citada no BDAG, os Mickelsens mostram que a classificação superior não é o sentido primário que é transmitido:

“Ele (o pai) foi a causa (aitos) da vida e da luz para o sonhador (o filho), assim como a cabeça (kephalē) é a causa da vida e da luz de todo o corpo”. Ele também disse: “A cabeça deve ser comparada aos pais, porque a cabeça é a causa [fonte] da vida”.
Traduzido de: Berkeley and Alvera Mickelsen, “What does Kephalē mean?”, 110.

A referência de Zosimus, além de sua data muito tardia de cerca de 500, pode ser uma saudação que denota dignidade e não superioridade. E uma terceira referência, Pseudo Aristotlélica De Mundo 6.4, nem sequer contém a palavra kephalē. Payne, “Response”, 120.

[11] Traduzido de: Cervin, “Does kephalē (‘head’) Mean ‘Source’ or ‘Authority Over’”, 85-112, 87.

[12] Traduzido de: Gilbert Bilezikian, I Believe in Male Headship (2002) (fonte)

[13] A homilia de Crisóstomo precisa ser lida com atenção, pois ele usa um oponente imaginário em seus argumentos, que diz que kephalē significa “autoridade”.

[14] Traduzido de: Johnson, “A Meta-Study”, quoting from Bilezikian’s 1986 paper “A Critical Examination of Wayne Grudem’s Treatment of Kephalē in Ancient Greek Texts”, presented for a plenary session of the annual meeting of the Evangelical Theological Society in Atlanta, (Oct. 20, 1986).

[15] Plutarch’s letter, known in Latin as Coniugalia Praecepta, pode ser lida aqui.

[16] Nenhuma interpretação atual de 1 Coríntios 11:2-16 faz todo o sentido de cada frase dentro desta passagem. Este é o caso se kephalē ser interpretado como “líder” ou “origem”, ou ser interpretado como “proeminente”, outro concorrente pelo significado de kephalē (anteriormente mencionado na nota de rodapé 1.)
Craig Blomberg, David Garland, Judith Gundry Volf, Alan Johnson, Craig Keener, I. Howard Marshall, Andrew Perriman, AC Thiselton e outros, sugerem que kephalē pode ter a sensação de “proeminente”, “preeminente”, “honrada”, etc. Este senso pode encaixar com os temas de glória e vergonha em 1 Coríntios 11:2-16. No entanto, a idéia de mostrar honra às pessoas já honradas parece ir contra as instruções de Paulo no próximo capítulo (1 Coríntios 12:22-25 ).

[17] Traduzido de: Bailey, Paul Through Mediterranean Eyes, 302. Gilbert Bilezikian interpreta essa passagem de maneira semelhante em I Believe in Male Headship. Craig Keener oferece essa interpretação como uma possibilidade em Paul, Women and Wives (Peabody: Hendrickson, 1992, 2009), 33-34.

[18] A frase “reza ou profetiza” em 1 Coríntios 11:4 e 5 pode ser uma maneira sucinta de descrever todo o ministério vocal. A oração é ministério vocal para Deus, e a profecia é ministério vocal de, ou em nome de, Deus).

© 14 de agosto de 2017, Margaret Mowczko
Traduzido por Orlando Paulo Correia Reimão

Mais artigos em português aqui.

artigos em portugues sobre igualdade entre homens e mulheres no lar e na igreja

 

Compartilhar!