Mary the Magdalene, Bible, New Testament

Retrato em aquarela e tinta de Maria Madalena por Sarah Beth Baca.
Usado com permissão do artista. Todos os direitos reservados.
Impressões deste retrato e de outras mulheres da Bíblia podem ser adquiridas aqui.

This article was first published in English here.

Este artigo analisa o que a Bíblia diz sobre Maria Madalena, e especialmente o que “Madalena” pode significar. Refere-se à cidade natal de Maria? Era o apelido dela? Ou de alguma forma implica que Maria era uma prostituta?

MARIA DE MAGDALA

Maria Madalena era uma mulher rica e uma das discípulas mais próximas e mais fiéis de Jesus. Ela é mencionada pelo nome mais de uma dúzia de vezes no Novo Testamento—apenas nos quatro Evangelhos—onde é referida com notável consistência como “Maria Madalena” (Maria, ou Mariam, hē Magdalēnē no grego.)[1] A palavra Magdalēnē pode funcionar de maneira semelhante a, por exemplo, Nazarēnē em “Jesus, o Nazareno,”[2] e, portanto, foi amplamente assumido que Maria era de uma cidade em Israel com o nome Magdala (aramaico) ou Migdol (Hebraico).

A cidade natal de Maria pode ter sido Migdol Nûnîya, uma cidade portuária movimentada e bastante helenizada na costa oeste do Mar da Galiléia, três quilômetros ao norte de Tiberíades.[3] Migdol Nûnîya (“Torre de peixes”) é conhecida nas fontes gregas como Tarichea (“Centro de salga de peixes”). Ou talvez a cidade natal de Maria fosse a “Torre dos Tintureiros”, também perto de Tiberíades, e Maria havia enriquecido trabalhando como tintureira de tecidos (cf. Lidia em Atos 16: 14-15). Muitos lugares em Israel eram (e são) chamados Migdol, Magdal ou Magdala, etc. Portanto, é impossível determinar qual cidade é a cidade natal de Maria com algum grau de certeza, assumindo que “Madalena”, de fato, se refere ao seu lugar. da origem. Existem, no entanto, algumas outras possibilidades interpretativas para “a Madalena.”

MARIA A TORRE

É possível que Maria Madalena não fosse necessariamente de uma cidade chamada Magdala, mas que “Madalena” fosse um apelido. Jesus deu os apelidos descritivos “Rocha” e “Filhos do Trovão” a seus três discípulos mais próximos: Simão Pedro e os irmãos João e Tiago. Talvez ele tenha dado a Maria o apelido de “Madalena”. Maria era um nome muito comum e Jesus tinha outras seguidoras e parentes chamadas Maria. Portanto, um apelido distinto teria sido—e continua sendo—útil na identificação de Maria Madalena.

Magdala significa “torre,” “torre de vigia” ou “fortaleza” em aramaico.[4] Se “Madalena” é um apelido que significa “torre,” então Maria pode ter sido uma mulher particularmente alta ou forte. Maria esteve com Jesus em muitos momentos críticos de sua vida e ministério, e ela pode ter sido um forte apoio a ele e seus seguidores, especialmente suas seguidoras da Galiléia. Maria e muitas outras mulheres da Galiléia viajaram com Jesus e os Doze, e financiaram o ministério de Jesus com seus próprios recursos (Lucas 8:2; Mateus 27:55-56, cf. Marcos 16:1). Maria é nomeada em primeiro lugar nas listas dessas mulheres da Galiléia, com exceção da lista de João 19:25.

A idéia de que “Madalena” era um apelido se encaixa com o que diz em Lucas 8:2: que Maria era chamada de “Madalena” (Maria hē kaloumenē Magdalēn). Lucas usa uma construção idêntica para “Judas, que é chamado Iscariote” em Lucas 22:3: Ioudan ton kaloumenon Iskariōtēn,[5] e para “Simeão, que é chamado Níger” em Atos 13:1: Simeōn ho kaloumenos niger. (Níger é uma palavra latina que significa “escuro” ou “preto.”)

É possível que Maria, como discípula íntima, valorizada e amada, tenha recebido um apelido com um significado forte, como os apelidos de Pedro, João e Tiago, mas há pelo menos uma outra possibilidade que pode explicar a denominação “Madalena.”

MARIA QUE ENTRANÇAVA CABELO

Thomas McDaniel cita outros que afirmam que uma palavra quase idêntica a magdala pode significar “cabeleireiro,” de gadal, que significa “tecer, entrelaçar, entrançar, vestir cabelos” (Jastrow 213, 218); e que, no léxico árabe-siríaco de Bar-Bahlul (c. 953 EC), foi declarado que Maria era chamada de “Madalena” porque seus cabelos eram trançados (J. Payne Smith, 60-61).[6] Ou Maria era cabeleireira? Segundo a literatura rabínica, ser cabeleireiro era uma das várias ocupações abertas às mulheres judias.[7]

McDaniel continua citando A commentary of the New Testament (Um Comentário do Novo Testamento), de John Lightfoot, do Talmud e Hebraica (1658: 3:87, 375), em que Lightfoot compara cabelos trançados com prostituição.

De onde ela se chamava Madalena, não aparece tão claramente; seja de Magdala, uma cidade no lago de Genesaré, ou da palavra mgdla, que significa entrançar ou enrolar os cabelos, algo comum com prostitutas. . . . O título que eles [os talmudistas] deram à Maria deles [mgdla] é tão parecido com o nosso, que você pode, com razão, duvidar se ela foi chamada Madalena da cidade de Magdala ou daquela palavra do talmudista mgdla, uma trança de cabelo. Deixemos que os aprendidos decidam.[8]

Lightfoot não foi o primeiro a ligar Maria Madalena à prostituição. O papa Gregório I (Gregório Magno) deu um sermão em Roma em 14 de setembro de 591, no qual identificou incorretamente Maria Madalena como a pecadora sem nome em Lucas 7:37, e afirmou que ela era uma prostituta penitente.[9] Ele ainda confundiu Maria Madalena com Maria de Betânia.[10] As afirmações errôneas do papa Gregório permaneceram e, por mais de mil anos, a maioria dos cristãos supôs que Maria Madalena era prostituta.[11]

Além disso, a similaridade casual de uma palavra grega magdalia, que pode significar “sujeira lavada,”[12] com a palavra aramaica magdala completamente não relacionada “se entrelaçou nas tradições ocidentais sobre Maria Madalena, sujando seu nome e sua reputação.”[13] Posteriormente, “Madalena” entrou nos dicionários como uma palavra que significa “prostituta reformada.” Não há nada nos evangelhos, no entanto, que indique que Maria tenha sido uma prostituta. O que sabemos do passado de Maria é que ela foi atingida por sete demônios que Jesus expulsou dela. Libertada de seu sofrimento e tormento, ela se tornou uma discípula devota de Jesus (Lucas 8:2).[14]

MARIA MADALENA E A RESSURREIÇÃO

Na Bíblia, Maria Madalena está especialmente ligada à ressurreição de Jesus. Depois de testemunhar a execução de seu mestre, que teria sido uma experiência angustiante, horrível e desconcertante, Maria e algumas outras mulheres foram as primeiras pessoas a saber que Jesus havia voltado à vida. Marcos e João registram que Maria, em particular, foi a primeira pessoa a ver Jesus vivo após sua ressurreição (Marcos 16:9; João 20:1ss, cf. Lucas 24:1ss). Ela foi a primeira testemunha da ressurreição.

Minha passagem bíblica favorita sobre Maria e a ressurreição está no evangelho de João, onde a ouvimos falar (João 20:2, 11-18). João 20:16 é especialmente emocionante quando Jesus simplesmente a chama de “Maria”, e ela responde com “Rabboni”, que significa “meu mestre-professor.”[15] Estou certa de que o forte afeto entre os dois era mútuo.[16]

Não devemos subestimar o ministério de Maria e seu papel como uma das principais discípulas de Jesus. Devemos ter um cuidado especial para não subestimar o significado de que Maria Madalena foi a primeira pessoa a ver Jesus vivo no início de uma nova era e que ela foi comissionada por Jesus para proclamar a mensagem de sua ressurreição. Não sabemos ao certo se Maria era de uma cidade chamada Magdala ou se ela era cabeleireira, mas os Evangelhos mostram que ela era uma torre fiel de força e apoio entre os discípulos de Jesus.


Notas

[1] Maria Madalena é mencionada pelo nome nos seguintes versículos da Bíblia: Mateus 27:56, 61; 28: 1; Marcos 15:40, 47; 16: 1, 9; Lucas 8: 2; 24:10; João 19:25; 20: 1, 11, 16, 18. Na maioria desses versículos, ela é chamada Maria hē Magdalēnē no grego (Mateus 27:56; Marcos 15:40, 47; 16: 1, 9; Lucas 8: 2; 24: 10; João 19:25; 20: 1). (N.B. Marcos 16: 9 pode não ter sido parte do Evangelho original de Marcos. Os manuscritos mais antigos de Marcos terminam em Marcos 16:8.)
Em Mateus 27:61; 28: 1 e João 20:18, ela se chama Mariam hē Magdalēnē. (Maria, a mãe de Jesus, também é às vezes chamada Maria e outras vezes chamada Mariam. Não vejo significado na variação essencialmente do mesmo nome.)
Em Lucas 24:10, o nome de Maria Madalena aparece como hē Magdalēnē Maria, mas em Lucas 8:2 temos a única diferença de nota em que Lucas tem Maria hē kaloumenē Magdalēnē: “Maria chamada Madalena”.
Em João 20: ss, onde ela é mencionada várias vezes, uma vez que é simplesmente chamada de “Maria” (João 20:11), e, alguns versos depois, Jesus simplesmente a chama de “Mariam”, à qual ela responde em aramaico, “Rabboni!” (João 20:16).

[2] A construção gramatical de “Jesus” com “Nazareno” no Novo Testamento grego não é tão consistente quanto a construção de “Maria Madalena” (Maria hē Magdalēnē) (cf. Mateus 2:23; Marcos 14:67; 16:6).

[3] Thomas F. McDaniel no capítulo 32, “The meaning of ‘Mary’, ‘Magdalene’ and other Names: Luke 8:2 and other Related Texts” (“O significado de ‘Maria’, ‘Madalena’ ‘e outros nomes: Lucas 8: 2 e textos relacionados”), de seu livro Clarifying Baffling Bible Passages (2007), 338-339. (Fonte)

[4] Há também uma palavra grega magdōlos que significa “torre”, mas é uma palavra emprestada do hebraico e do aramaico.

[5] O significado de “Iscariotes” não é claro. Pode se referir a um lugar; no entanto, a palavra é muito semelhante a duas palavras hebraicas, uma que significa “falsa” e outra que significa “pare”. Joan Taylor discute o significado de Iscariotes em seu artigo “The name ‘Iskariot’ (Iscariot),” Journal of Biblical Literature Vol. 129 No. 2 (2010): 367-383. Taylor “apóia a definição muito antiga feita por Orígenes – que [Iscariotes] deriva da raiz hebraica/aramaica scr, ‘parar’, ‘bloquear.” “Iscariotes” pode ter sido um apelido dado a Judas postumamente para indicar que ele era um discípulo falso ou, como sugere Taylor, pode se referir a como ele morreu (Mateus 27: 5; Atos 1:18; e Papias, Exposição 3).

[6] McDaniel, Clarifying Baffling Biblical Passages, 339-340. McDaniel também fornece alguns outros significados possíveis para Magdala em seu livro.

[7] Ver Richard Bauckham, Gospel Women: Studies of the Named Women of the Gospels (Grand Rapids, MI: Eerdmans, 2002), 133.

[8] McDaniel, Clarifying Baffling Biblical Passages, 354.

[9] O sermão de Gregório, Homilia 33, está em Homiliarum in evangelia, Livro 2, Patrologia Latina, volume 76 (Paris: J.P. Migne, 1844-1864), colunas 1238-1246; e aqui.

[10] A fusão de Maria Madalena com Maria de Betânia e a mulher em Lucas 7 formou o “Madalena composto”, assim chamado pelos estudiosos. Alguns também confundem Maria Madalena com a mulher sem nome apanhada em adultério. Jesus disse à mulher apanhada em adultério: “Nem eu também te condeno. Vai-te e não peques mais.” ”(João 8:11 ARC). Maria Madalena, por outro lado, não seguiu seu próprio caminho depois de ser libertada de sete demônios, mas acompanhou Jesus por toda a Galiléia e foi até Jerusalém com ele para sua crucificação.

[11] Desde os anos 1960, a Igreja Católica Romana não afirma mais que Maria Madalena era uma ex-prostituta. No documento de 1988, Mulieres Dignitatum, o papa João Paulo II tentou salvar sua reputação e se referiu a Maria como “apóstolo dos apóstolos” (apostolorum apostola). Em junho de 2016, o Papa Francisco afirmou esse título e elevou a celebração litúrgica de Maria Madalena ao mesmo nível das celebrações litúrgicas dos apóstolos, o nível da Festa. (Fonte)

Maria Madalena havia sido chamada “apóstolo dos apóstolos” no século XIII por Tomás de Aquino em In Ioannem Evangelistam Expositio, c. XX, L. III, 6, e por Rabanus Maurus no século IX De vita beatae Mariae Magdalenae, XXVII (a menos que este trabalho tenha sido escrito pseudônimo e mais tarde.) Por volta de 235 dC, Hipólito usou o termo “apóstolo dos apóstolos” em parágrafos 24-26 do seu comentário sobre Cântico dos Cânticos 3: 1-4, que só sobrevive nos manuscritos georgianos. Ele aplicou o termo aos portadores da mirra, mas parece confundir Maria Madalena com Maria de Betânia. E ele traz Martha para a foto. Mary Anne Beavis sugere que “It is not unlikely that early oral tradition sometimes placed the Bethany sisters among the myrrh-bearing women” (“não é improvável que a tradição oral precoce às vezes coloque as irmãs de Betânia entre as mulheres portadoras de mirra”). “Mary of Bethany and the Hermeneutics of Remembrance,” The Catholic Biblical Quarterly 75 (2013): 739-755 746.

[12] A palavra grega magdalia (e a palavra posterior apomagdalia) tem como um de seus significados “sujeira lavada.” Henry George Liddell e Robert Scott, A Greek-English Lexicon, revised and argumented throughout by Sir Henry Stuart Jones, with the assistance of  Roderick McKenzie (Oxford: Clarendon Press, 1996), 209 e 1070.

[13] McDaniel, Clarifying Baffling Biblical Passages, 348.

[14] Ben Witherington escreve: “Seven was the number of completion or perfection [and so w]e are meant to understand that [Mary] was particularly captivated by the dark presence in her life and required deliverance by an external power. Demoniac possession controls the personality and leads to voices speaking through the person, fits, and acts of unusual power. Jesus delivered Miriam (or Mary) from this condition, which apparently prompted her to drop everything and follow him around Galilee.” (“Sete era o número de conclusão ou perfeição [e, portanto, devemos entender que [Maria] foi particularmente cativada pela presença sombria em sua vida e pela libertação necessária por um poder externo. A possessão demoníaca controla a personalidade e leva a vozes falando através da pessoa, ataques e atos de poder incomum. Jesus libertou Miriam [ou Maria] dessa condição, o que aparentemente a levou a largar tudo e segui-lo pela Galiléia.”) (Fonte)

Gregório Magno, em seu sermão que difamava Maria Madalena, afirma que os sete demônios foram os sete pecados capitais, supostamente imperdoáveis: gula, luxúria, ganância, preguiça, ira, inveja, orgulho. Ele declarou: “And what these devils signify if not all the vices.” (“E o que esses demônios significam senão todos os vícios.”) Gregório, o Grande, Homilia 33.

No entanto, pode ser que Maria estivesse simplesmente muito doente. No mundo antigo, a doença era frequentemente atribuída a espíritos impuros (por exemplo, Marcos 9: 17). Talvez Maria tenha sofrido com epilepsia grave.

[15] Rabboni (ou rabbouni) é rabbon com um sufixo que significa “meu”. Rabbon é o mais alto título de honra para um professor nas escolas judaicas. Wesley Perschbacher, The New Analytical Greek Lexicon (Peabody, MA: Hendrickson, 1990), 361.

[16] Não há nada na Bíblia que indique que Jesus e Maria foram casados ou tiveram filhos juntos. Considerando o ministério de Jesus, incluindo sua morte e seu retorno ao Pai, quarenta dias depois, é improvável que ele tenha escolhido se casar e ter uma família.

© 26 de maio 2014, Margaret Mowczko
Traduzido por Priscila Fernandes (Twitter; Instagram)

Mais artigos em português aqui.

artigos em portugues sobre igualdade entre homens e mulheres no lar e na igreja

Compartilhar!